24 de mai de 2014

Resenha - O Projeto Rosie

SINOPSE
"Às vezes não somos nós que encontramos o amor; é ele quem nos encontra."

Don Tillman, 39 anos, musculoso e tão bonito quando Gregory Peck, é professor de genética e nunca teve uma namorada. Em seu estrito cronograma de atividades, todas as tarefas são calculadas para garantir o menor desperdício de tempo. Nada de imprevistos ou de surpresas; diretrizes para que Don não precise recorrer ás suas baixíssimas habilidades sociais. Mas, na busca pela esposa perfeita, ele vai precisar de muito mais que a ajuda do questionário que desenvolveu para selecionar candidatas . E, quando Rosie Jarman entra em seu escritório - um exemplar totalmente inadequado ao seu perfil- o imprevisto, o impulso e a emoção passam a ser novas regras.
Gostei muitíssimo desse livro e se você gosta do Sheldon Cooper da série A Teoria do Big Bang (The Big Bang Theory) e de um romance mais próximo a nossa realidade, tenho certeza que irá gostar de ler O Projeto Rosie.

A capa é uma fofura. Têm cores agradáveis, desenhos que remetem ao protagonista e alguns rabiscos que dão a impressão de mapa, de trajeto a ser percorrido ou de um projeto a ser seguido, o que logo nos faz ligar ao nome. Mas não foi exatamente a capa que me chamou a atenção e sim a sinopse, me interessei pela proposta do livro e apesar de algumas resenhas dizerem ser clichê, eu nunca havia lido um livro assim.

O Projeto Rosie foi uma surpresa para mim, principalmente por ser narrado em primeira pessoa por um personagem masculino. Don é um típico Sheldon Cooper, só que da área da genética e com menos interesse em histórias em quadrinhos, rsrs. Ele definitivamente cresceu alheio ao que é considerado normal e nada lhe faz sentido se não puder ser embasado por evidências, por pesquisas ou pela razão...

Encantei-me com o personagem, com seus pensamentos e jeito nerd, e com sua vida completamente regrada, pois para Don, perder tempo é inaceitável e para se ter uma mudança na agenda, a mudança precisa ser notificada com horas de antecedência, para assim ser programada a fim de não atrapalhar os compromissos seguintes.

Os capítulos iniciais te colocam a par de como é a vida de Don, como são seus trejeitos, suas manias, sua vida regrada e até sua [não] vida social. Algumas resenhas acharam os primeiros capítulos chatos e sem emoção, mas eu os achei legais e necessários para entender o personagem e as mudanças que se seguem. Por isso mencionei no começo: se gostar do jeitinho do Sheldon, vai aproveitar a leitura :)

O romance, ao contrário de outros livros que surge com um “amor à primeira vista” ou uma “paixão arrebatadora”, neste livro surge de forma gradual, não forçada e apesar do próprio personagem não perceber (porque não tem experiência no assunto), nós podemos notar o amor surgindo.

O projeto esposa me rendeu boas risadas e situações deveras estranhas, kkkk. Diferente do que muitas resenhas dizem, o projeto esposa não procura a mulher “perfeita”, mas uma mulher “adequada”, compatível, que possa se ajustar ao Don sem destruir sua vida pré-programada, em outras palavras, ele procura alguém tão esquisita quanto ele, ou próximo disso...

Rosie surge logo depois da criação desse projeto, mostrando-se completamente inadequada e o mais impressionante, é ver como a vida de Don passa a girar em torno dela.

Outro ponto interessante são as mudanças que ocorrem na vida dele no decorrer do enredo. Alguns leitores questionaram se era mesmo preciso mudar, que ninguém pode obrigar a mudar hábitos de uma vida inteira, mas eu levei por outro lado, pois Don não foi obrigado a mudar, ele mudou porque quis... Fez pela Rosie? Sim, ele fez, mas mudou porque quis! E não foi como se tivesse mudado de uma hora para outra, foi tudo uma sucessão de pensamentos e acontecimentos que o levaram a querer mudar definitivamente.

E acredite, o autor foi excepcional ao escrever tais mudanças. Na verdade ele foi excepcional em todo o livro, não deixando pontas soltas e apesar de nunca ter ouvido falar dele, fico felicíssima de ter encontrado uma obra adorável como essa S2 Don não é perfeito e ele sabe disso, apesar de se achar ligeiramente atraente e em forma, está constantemente tendo conflitos interiores (principalmente depois de conhecer Rosie) e sempre tenta melhorar no decorrer da história, conforme as coisas que aprende.

E assim o enredo se desenrola.

O Projeto Rosie foi um livro que me agradou grandiosamente, chorei com um acontecimento quando estava perto do final, mas como este não é um livro de final triste, logo me senti consolada ao ver meu fofíssimo Don tendo seu final feliz... Sim, eu disse fofíssimo. Don é tão quadrado e tapado que chega a ser fofo, hahaha, mas com certeza, eu não gostaria de passar pelas mesmas situações constrangedoras que ele.
Opinião Final: Não tem poderes, nem fantasia, é um típico romance que se desenrola na realidade humana, mas que ainda assim é adorável e juntamente com a capa tornasse fofo. Recomendo muito! Li e não me arrependi em nenhum quesito.
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário