27 de abr de 2016

Resenha - A Esperança

SINOPSE
Depois de sobreviver duas vezes à crueldade de uma arena projetada para destruí-la, Katniss acreditava que não precisaria mais de lutar. Mas as regras do jogo mudaram: com a chegada dos rebeldes do lendário Distrito 13, enfim é possível organizar uma resistência. Começou a revolução. A coragem de Katniss nos jogos fez nascer a esperança em um país disposto a fazer de tudo para se livrar da opressão.
E agora, contra a própria vontade, ela precisa assumir seu lugar como símbolo da causa rebelde. Ela precisa virar o Tordo. O sucesso da revolução dependerá de Katniss aceitar ou não essa responsabilidade. Será que vale a pena colocar sua família em risco novamente? Será que as vidas de Peeta e Gale serão os tributos exigidos nessa nova guerra? Acompanhe Katniss até o fim do "thriller", numa jornada ao lado mais obscuro da alma humana, em uma luta contra a opressão e a favor da esperança.
Difícil saber por onde começar...
A Esperança, o último volume da trilogia Jogos Vorazes, terminou de me arrebatar, pois quando terminei de lê-lo, por um momento perdi o rumo e a vida deixou de ter sentido y.y

Katniss já se encontra no Distrito 13, salva da arena do Massacre Quaternário, e agora ela precisa decidir se aceitará ou não ser o Tordo da revolução. Entretanto, e apesar de desejar ver Snow morto, a preocupação com Peeta a tira dos eixos durante os primeiros capítulos do livro.

Algumas pessoas reclamaram  disso, alegando que a história ficou repleta de choramingos de Katniss. Mas acho que se nos colocássemos no lugar dela, se tivéssemos o amor de nossa vida nas mãos do inimigo, se o país inteiro depositasse a chance de vitória nas costas de uma só pessoa (nós) e nos enfiassem no meio de uma guerra, não iríamos somente choramingar, certamente enlouqueceríamos...

Katniss é humana, também possui fraquezas, não pode ser a heroína jovem clichê que simplesmente sai peitando a capital como se isso não lhe trouxesse consequências também. Não achei que a história ficou repleta de choramingos. Katniss pode sim ter sofrido e chorado com o fato de Peeta estar nas mãos da capital, mas achei que ela soube controlar e direcionar muito bem os seus sentimentos depois que ele foi resgatado.

Gale está completamente engajado na guerra em A Esperança, mostrando ao leitor um lado que realmente inédito e até certo ponto cruel. Para ele, vale tudo para vencer a guerra, enquanto para ela, existe sim um limite, e por terem opiniões tão diferentes, a amizade dos caçadores acaba ficando numa corda bamba... Confesso que fiquei bem chocada com algumas frases dele, mas nem por isso deixei de achar que ele é um ótimo personagem.

Na verdade, A Esperança nos mostra o pior do ser humano, até onde ele pode chegar em sua maldade. Gale queria lutar pela liberdade, mas em sua cabeça, era justo matar tantos quanto fossem necessários para isso, esquecendo-se que os moradores da capital - apesar de ricos - também eram seres humanos e inocentes. Mas este é apenas um exemplo, pois a pior demonstração de maldade está com nosso detestável presidente Snow desde o primeiro livro, com seu pão e circo doentio e desumano.


Em questões de romance e ao contrário do que muitos disseram, não achei que Katniss está envolvida num triângulo amoroso. Seu relacionamento com Gale é puramente amigável, ele a ajudou e em muitos momentos trabalharam juntos para alimentar suas famílias; é óbvio que ela o ama de certa forma, mas de um jeito familiar, apesar dele realmente ter se apaixonado por ela. Já com relação a Peeta, eu senti o amor surgindo aos poucos; no começo Katniss achava apenas que tinha uma dívida com ele, mas com o passar dos jogos e com suas tentativas de tentar pagar esta dívida protegendo-o, ela acabou enxergando Peeta com outros olhos e valorizando-o cada vez mais.

E aí chegamos ao impasse do último livro, onde nos perguntamos com quem ela irá ficar. Bem, acho que a resposta é bem óbvia... Contudo, não se iluda, o romance pode estar presente, mas é uma pequenina parte da história, devido ao estado em que a capital deixou Peeta.

No geral, o livro é ótimo! A escrita de Suzanne Collins é agradável e fácil, mas achei que ela pecou em momentos que realmente necessitavam de emoção e um pouco de sentimentalismo. Os personagens estavam em guerra e por isso muitos deles morreram, e foram nessas partes que senti falta de uma descrição mais detalhada e emotiva, Katniss não precisava arrancar os cabelos e chorar compulsivamente (e nem dava, ela estava sendo atacada), mas a descrição poderia ter sido mais trabalhada, para que a morte deles não parecesse tão fútil...

Achei o final bem legal, apesar de muita gente achar ruim/decepcionante. Me senti angustiada com todos os traumas que Katniss e Peeta teriam que carregar para o resto da vida, é fácil para nós (leitores) acharmos que eles iriam reinar lindamente no final, nos esquecendo completamente que a guerra deixa marcas, matar pessoas deixa marcas e perder pessoas também deixa marcas, todas elas: ruins!

E no fim, depois de tudo o que Katniss foi capaz de fazer, uma terrível realidade se abateu sobre ela e fez meu coração também doer: a pessoa que ela mais lutou para proteger, foi a que no final de tudo, ela perdeu!
Opinião Final: Maravilhoso! Espetacular! Vale muito a pena ler... Fiquei em êxtase quando terminei a leitura e depois não soube nem que livro ler, era como se nenhum título fosse bom o suficiente para superar o que senti com A Esperança.
Opinião Final da Trilogia: De tirar o fôlego. Quando terminei, senti como se estivesse faltando um pedaço de mim e tive certeza de que nunca encontraria trilogia melhor. Tornou-se minha preferida, acredito que ainda está para ser escrito trilogia melhor do que esta.
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário