17 de mai de 2016

Resenha - Ostra Feliz não faz Pérola

SINOPSE
"Ostras feliz não faz pérola." A ostra, para fazer uma pérola, precisa ter dentro de si um grão de areia que a faça sofrer. Sofrendo, a ostra diz para si mesma: "Preciso envolver essa areia pontuda que me machuca com uma esfera lisa que lhe tire as pontas..." Ostras felizes não fazem pérolas... Pessoas felizes não sentem a necessidade de criar. O ato criador, seja na ciência ou na arte, surge sempre de uma dor. Não é preciso que seja uma dor doída... Por vezes a dor aparece como aquela coceira que tem o nome de curiosidade. Este livro está cheio de areias pontudas que me machucam. Para livrar da dor, escrevi.
Consegui o livro com uma livreira que estava se desfazendo de sua estante. Ouvi falar muito bem do livro e depois deste título, fiquei a imaginar que tipo de mensagem ele teria a me passar. A curiosidade fermentou meu interior até o momento em que o peguei para ler...

Rubem Alves é um escritor bastante recomendado, conhecido e elogiado no Brasil. Como muitos escritores, o autor sempre teve o hábito de anotar ideias, para um dia, conseguir transformá-las em alguma obra maior. Entretanto, nunca os usou... A ideia do livro surgiu a partir disso. Para não jogar tantas ideias e trechos no esquecimento, Rubem Alves os reuniu num único volume, sob o título "Ostra Feliz não faz Pérola"

A primeira coisa que me atraiu no livro foi o título, mas acredito que esta tenha sido minha perdição. Com um nome tão poético, acho que coloquei uma expectativa grande demais no conteúdo e quando me dei conta que a obra é um conjunto de textos com assuntos diversos (e alguns deles até sem assunto), fiquei desanimada em  lê-lo.

Sei lá, achei o livro estranho e meio desnecessário em alguns pontos. Apesar de ter encontrado alguns textos bonitos e outros interessantes, também achei textos sem sentido, de apenas três linhas que não tinham nem pé e nem cabeça, e outros com pensamentos um tanto desrespeitosos... Entendo que a obra seja um aglomerado de antigos textos e ideias do autor, e que nenhum deles foi lapidado ou aprofundado, mas realmente não dá para se agradar inteiramente com algo assim.

A obra é dividida em partes, sendo:

  • Caleidoscópio (não gostei dessa parte, a maioria dos textos sem sentido estão aqui)
  • Amor (também não gostei, esperava algo mais poético, mas não foi bem isso que encontrei)
  • Beleza (razoável, alguns textos são desinteressantes, mas outros são bem legais)
  • Criança (gostei dessa parte)
  • Educação (razoável, alguns textos são desinteressantes, mas outros são bem legais)
  • Natureza (goste bastante)
  • Política (razoável, somente os textos sobre o militarismo me chamaram a atenção)
  • Saúde Mental (desinteressante) 
  • Religião (chato e em alguns momentos, desrespeitoso)
  • Velhice (razoável, alguns textos são desinteressantes, mas outros são bem legais)
  • Morte (interessante, gostei bastante das reflexões desta parte)
O livro como um todo deixa a desejar, em minha opinião. Gostei de vários textos, mas infelizmente eles terminavam tão rápido quanto começavam, já que nada era muito aprofundado para me fazer refletir. Ouvi falar muito bem do autor, mas não gostei da obra em questão; espero poder conferir outras de suas obras no futuro, para ver sua mente brilhante em ação...
Opinião Final: Esta foi a primeira obra que tive a oportunidade de ler do autor, mas acabei não gostando. Eu, particularmente falando, não a recomendaria!
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário